O Brilho das Pedras Preciosas e Semi-preciosas


O brilho é uma das propriedades ópticas das gemas, assim como a cor, dispersão, refração, birrefringência, pleocroísmo, transparência e os diferentes fenômenos ópticos.O brilho decorre da qualidade e quantidade dos raios luminosos refletidos do interior e da superfície da gema. A intensidade do brilho está diretamente relacionada ao índice de refração e à dureza da gema.

Índice de Refração

Refração é a mudança na direção e/ou velocidade da luz quando esta penetra em um meio de densidade óptica diferente daquela do meio que provém. O grau de refração é chamado índice de refração, que é definido pela razão entre a velocidade da luz no vácuo e a velocidade da luz no interior de uma substância. O índice de refração da maioria das gemas oscila entre 1,2 e 2,6. Os gemólogos medem esse índice usando um instrumento de nome refratômetro.

Dureza

Também a dureza da gema é medida pela Escala de Mohs que  será determinante para o brilho que se poderá extrair dela. Quanto mais dura for a gema, maior grau de polimento na lapidação ela aceitará sem se danificar.

Os diferentes tipos de brilho

O conjunto desses fatores resulta em diferentes tipos de brilhos:

Metálico

O brilho mais intenso, lembra metais polidos. Ex.: pirita (classe dos sulfetos), cujo índice de refração é  superior ao limite medido pelos refratômetros; hematita – índice de refração de 2,940 a 3,220.

Pirita

Adamantino

O nome se refere ao brilho do diamante, cuja etimologia vem do grego “adamas”, O esfênio (índice de refração entre 1,900 a 2,034) e esfarelita (índice de refração de 2,369 e 2,50)

Esfênio

Subadamantino

Gemas com um índice de refração pouco inferior ao adamantino, porém mais brilhantes que as de brilho vítreo.

Ex: alguns exemplares de alexandrita, crisoberilo, espinélio, granada, olho-de-gato; certos exemplares de rubi e safira, minerais cujo brilho oscila entre “vítreo” e “subadamantino”.

Granada

Vítreo

Este tipo de brilho, como o nome sugere, lembra o do vidro, sendo que a maioria das gemas tem seu brilho aqui classificados. Exemplos: Agua-marinha, ametista, berilo verde, brasilianita, fluorita.

Berilo Verde

Subvítreo

Nesta categoria enquadram-se, por exemplo, a rodocrosita e a rodonita, com índice de refração pouco abaixo das gemas de brilho vítreo.

Rodonita

Gorduroso

A aparência lembra superfícies oleosas. Exemplos: ágata, calcita, cornalina, crisoprósio, feldspato microclônio, jadeíta, nefrita, jaspe, ônix, quartzo dendrita, sodalita.

Cornalina

Ceráceo

Remete à superfície da cera, ou da velas. Exemplos: lápis-lazúli, turquesa, coral.

Turquesa

Fosco

Praticamente sem brilho. Exemplo: algumas pérolas e marfim.

Pérolas

Sedoso

Brilho macio, derivado de estruturas padronizadas. Exemplos: malaquita, olho-de-tigre e amazonita.

Amazonita

Nacarado

Lembra o nácar das conchas e pérolas. Exemplo: madrepérola

Madrepérola

Fonte: Consultoria gemológica: Jane Leo Nogueira da Gama, G. J. G., responsável pela Rede IBGM de Laboratórios Gemológicos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

http://dhtt.us/DRHc
%d blogueiros gostam disto: